sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Ser advogada na Austrália

Atendendo a pedidos, estou de volta. :-)

Estamos muito relapsos com o blog, eu sei... O Thiago abandonou de vez, e eu confesso que muitas vezes tenho preguiça de atualizar. Mesmo tendo assunto, vira-e-mexe penso em algo interessante pra escrever, mas logo a vontade passa...rs

Nas últimas semanas eu estava pensando sobre a minha carreira aqui e achei que daria um bom tópico.

No Brasil eu era advogada, me formei em 2004 e tinha mais de 7 anos de experiência, fora os 3 anos antes de me formar em que eu já trabalhava na área. Ou seja, uma bagagem grande pra deixar pra trás.

Quando decidimos vir pra Austrália, eu sabia que não ia ser fácil conseguir algo na minha área. Mas não sabia que seria tãããooo difícil...

Como muitos sabem, o sistema jurídico na Austrália é o Commom Law, baseado no sistema inglês de decisões baseadas em precedentes das cortes. Já no Brasil, o sistema é o Civil Law, de origem romana, baseado em leis.

Eu achava que os dois sistemas seriam completamente diferentes, mas quanto mais eu estudo sobre o sistema australiano mais encontro similitudes. Aqui também tem leis, códigos, normas, e no Brasil também já temos precedentes, mas enfim, mesmo sendo parecido é muito difícil pra um advogado estrangeiro ingressar no mercado.

Pra começar eu não posso trabalhar como advogada por não ter habilitação (tipo a carteira da OAB). Pra ter habilitação, tenho que primeiro validar meu diploma, o que é um longo caminho. Em resumo, tenho que submeter toda minha documentação (histórico, diploma, ementas) para a Law Society (tipo a OAB daqui) e esperar o parecer deles sobre qts matérias complementares eu vou precisar estudar. Segundo já me disseram, pra um advogado do Brasil, são sempre 11 matérias. Só que vc só pode fazer 2 a 3 por semestre, devido ao grau de dificuldade. Ou seja, 2 a 3 anos pra conseguir validar o diploma. Depois disso, tem mais 1 ano de prática jurídica (chamado de PLT - Practical Legal Training). No final disso tudo, tem uma prova na Supreme Court (o Tribunal de Justiça de cada estado) pra finalmente conseguir a habilitação. E mesmo com a habilitação tem um período inicial (que não tenho certeza se de 1, 2 ou 3 anos) em que o advogado tem que ser supervisionado por outro mais sênior, com várias limitações nesse período.

Ufa! Me cansa só de pensar... rs Fora que esses cursos todos são pagos (e caro), o que no momento inviabiliza pra mim pensar nesse caminho no momento. Se é que um dia eu vou pensar em seguir, né, porque já estudei 5 anos de faculdade no Brasil, mas 2 de pós-graduação, meu saco pra voltar a estudar é zero...

Por enquanto sigo tentando ingressar em um escritório em alguma função de suporte, como paralegal, legal assistant, ou até mesmo legal secretary. Mas até isso tá muito difícil, pois para os australianos eu sou "over qualified". Eles não entendem como um advogado com quase 10 anos de experiência pode se contentar com uma função inferior que não exige nem formação acadêmica. Como se eu tivesse opção! Se não posso ser advogada no momento, tenho que tentar começar de novo, mas sem uma oportunidade fica difícil, ora bolas.

Enfim, não estou mais me preocupando com isso, sei que tenho que ter paciência pois na minha área as coisas vão acontecer bem devagar. Por enquanto sigo fazendo meu curso no TAFE, chato a beça, mas isso é papo para outro post.

19 comentários:

  1. Olá Denise adorei seu post. Também me formei em direito, mas tenho pouca experiência e não tenho a OAB ainda e está bem difícil para conseguir alguma coisa e ganhar um din din. Neste momento estamos pensando em ir para a Austrália (que sempre foi um sonho) pois, temos um amigo que mora aí. Não sei nada de inglês, meu noivo entende alguma coisa! Queria saber como vc encara esta situação de ser formada aqui em uma profissão como o Direito e na Austrália trabalhar nestas "funções inferiores"? O que você me diria? E aproveitando, gostaria de saber como lida com a saudade das pessoas daqui!? Boa sorte e que apareça logo uma oportunidade no direito para vc! Andrea.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andrea.

      Aqui na Austrália o pensamento é bem diferente do Brasil, ninguém encara trabalhos que não demandem formação superior como "funções inferiores". E não digo só o que busco, um cargo de suporte dentro de um escritório, mas até trabalhos mais braçais como garçonete, cleaner (faxineira), labour (pedreiro ou quem trabalha em obra de uma forma geral), etc, são a opção de muita gente por aqui. Não só estrangeiros que têm dificuldade com o inglês, ou em conseguir entrar na sua própria área, mas até mesmo de australianos.
      Eu quando cheguei trabalhei de garçonete, babysitter, até o Thiago conseguir um emprego como arquiteto, só parei pq quero mesmo me focar na minha área. Mas não acho nada de mal quem segue assim, e acredite, é maioria aqui. O que tem de estrangeiro que era engenheiro, advogado, professor, etc, nos seus países de origem e aqui trabalha como motorista, pedreiro, faxineira, babá, garçom. Financeiramente vale a pena, vc pode ganhar até mais trabalhando nessas "funções inferiores", como definimos no Brasil, do que como arquiteto ou engenheiro (só não digo advogado e TI pois essas áreas pagam bem em todo lugar do mundo...rs).
      Se quiser trocar uma idéia, ou tiver perguntas, pode me memandar um email: denisefpg@gmail.com.
      Quanto a saudade, isso é o mais difícil... É uma luta pra todos os brasileiros aqui, mas com o tempo vc vai aprendendo a lidar. Fora que muitas outras coisas boas surgem pra ajudar: a qualidade de vida, os novos amigos aqui, etc.
      Bjs,
      Denise

      Excluir
  2. Ola, Denise, tudo bem? Encontrei o blog de VCS pesquisando sobre o exercício da advocacia na Australia, por estrangeiros! Ja havia visto sobre toda essa função do reconhecimento do curso ai, e sei que não é facil! Mas minha pergunta é específica sobre o modo como ingressaram na Australia, que tipo de visto obtiveram, se de estudo ou de trabalho mesmo, ou she possuem algum parente por aí! Minha esposa e eu somos Advogados, e estamos iniciando nossa jornada rumo à Australia! Agradeço se puder responder! Desejo sorte a VCS dois!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Murilo.

      Bom, como vc não deixou seu email, te respondo por aqui mesmo.

      Não temos parente aqui não, viemos "na cara e na coragem". rs

      Nós viemos para a Austrália com visto de residentes (permanent residency ou 175, como é conhecido o visto por aqui), mas quem aplicou foi o Thiago como arquiteto. Aplicamos do Brasil e foi um longo processo, acho até que o Thiago falou dele no início do blog (antes de parar de escrever por aqui...rs).

      Eu sinceramente nem cheguei a pesquisar se seria viável eu ser a aplicante principal como advogada. Mas do pouco que li sobre isso acredito que não seria possível não, pelo nível de exigências para o reconhecimento da profissão. Fora que não sei se advogado está na lista de demanda do governo australiano (exigência para concessão desse tipo de visto que temos). Além disso, também nunca conheci alguém aqui que tenha conseguido a residência aplicando como advogado do exterior, nem mesmo os neozelandeses e os ingleses, que tem um sistema jurídico parecido com o australiano (common law). Conheço um neozelandês advogado, mas que demorou também um bom tempo pra conseguir o reconhecimento do diploma e poder advogar aqui. Para quem vem de um país de civil law (caso do Brasil), acho que seria realmente inviável.

      Se quiser mais informações, dá uma olhada no site da Law Society de NSW (tipo a OAB estadual) - http://www.lawsociety.com.au/ - e da Legal Profession Admission Board (com os requisitos para validação de diploma estrangeiro) - http://www.lpab.lawlink.nsw.gov.au/lpab/legalprofession_index.html.

      A não ser que vc estudasse algo ligado a área aqui, conseguisse o reconhecimento do seu diploma, e a partir daí visse a viabilidade de aplicar pra um visto de residente. Mesmo assim teria que ver se é viável, sendo que o ideal é conversar com um advogado australiano especializado em imigração ou um agente de imigração qualificado aqui.

      Boa sorte!

      Excluir
  3. Oi Denise, tudo bem?

    Quase dois anos dps do seu post sobre advogada na Austrália, gostaria de saber como está sendo sua vida?

    Eu sou advogada recém formada e tenho um sonho imenso de voltar pra Austrália depois de quase 7 anos! Estou disposta a fazer todo o trâmite para me tornar advogada Australiana e começar minha vida por ai, também na cara e na coragem.

    Você pode me dar algumas dicas e o processo mais rápido para isso tudo? Pretendo ir agora em janeiro próximo e estou muito ansiosa!!

    Primeiro pensei em fazer um LLM, mas dps que li o post fiquei na dúvida.

    Agradeço muito desde já.

    Ps: Meu e-mail é pa_steiner@hotmail.com

    Obrigada, Paula!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Paula,

      Continuei escrevendo sobre o que tenho feito, e mais informações que obtive sobre a profissão nos últimos anos, dá uma pesquisada nos posts mais recentes. Resumindo, estou há 1 ano e meio trabalhando num escritório de advocacia como legal secretary/paralegal.

      Não conheço quem tenha validado pelo caminho do LLM... Se vc quiser perguntar algo pode me escrever, meu email é denisefpg@gmail.com.

      Abs,
      Denise

      Excluir
    2. No Canadá, que é também Common Law, há a possibilidade de entrar pelo LLM, de um ano, depois mais quatro meses de uma disciplina atinente apenas a interpretação e redação de contratos, por conta do inglês um tanto arcaico e necessário, diga-se de passagem. Após, há duas etapas: prova do BAR e estágio supervisionado(que pode ou não supervisionado) - os dois, não necessariamente nesta ordem, a depender da legislação da província onde se faz -.
      Ou seja, tudo cronologicamente ajeitado, no máximo em três anos a habilitação para advogar está garantida lá. Penso, então, seria este o caminho a que Paula Steiner se refere?

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Oi Denise, lendo seu blog fiquei com uma dúvida. Da mesma forma que a advogada italiana fez um mestrado no USA, eu sendo bacharel em direito e advogado no Brasil poderia fazer um LLM na Austrália e conseguir emprego aí?

    Desde já agradeço.

    Att,


    Isócrates.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Isocrates. Sim, poderia. Só que as regras são diferentes nos EUA pra obter a validação e aqui, então vc teria que ver direitinho qual será o LLM a ser feito aqui e checar com a Law Society se cumpre as exigências deles. Eu estou chutando, mas tenho a impressão que sai mais barato vc validar o diploma pela Law Society fazendo só as matérias adicionais que eles pedirem do que fazendo um LLM... Eu acredito que um LLM não saia por menos de $30-50 mil dólares, enquanto as matérias avulsas que a Law Society pede custam muitíssimo menos que isso (fiz outro post falando sobre essas informações adicionais, dá uma pesquisada nos posts mais recentes do blog).
      Ah, e mesmo fazendo o LLM vc não consegue automaticamente a validação, ainda terá que passar pelo processo da Law Society (submeter sua graduação + o LLM), fazer o PLT e a prova da Supreme Court, todo o processo que eu descrevi no post.

      Excluir
    2. Obrigado Denise, vou ver isso direito, pois vi em um post seu que você não conhece ninguém que tenha validado o diploma pela Law Society, deve ser bem complicado então...rsrsrs. Noutro Norte, vi essa semana que advogado está entre as profissões em falta na Austrália, isso facilitária um visto de estudante?

      Desde já agradeço.

      Att.,


      Isócrates.

      Excluir
    3. Vi a noticia neste site : http://administradores.com.br/noticias/cotidiano/governo-australiano-divulga-lista-de-profissionais-em-falta-no-pais/90207/

      Excluir
    4. Isocrates, vc leu a lista da imigração em inglês? Tenho recebido um número maior de emails por conta dessa matéria que saiu no jornal... rs O problema é que matéria é incorreta quando fala em advogados. Se vc for ver a lista em inglês, o que está lá é “Barrister” e “Solicitor”, e não advogado.

      Como eu já expliquei em outro post, essas profissões não tem equivalência no direito brasileiro e demandam um processo específico de capacitação. Então ainda que esteja em demanda na Austrália, um advogado brasileiro não conseguiria aplicar pra residência com base nisso enquanto não fosse admitido na Austrália como barrister ou solicitor.

      Ah, e a lista de profissões em demanda não tem nenhuma relação com o visto de estudante, que eu saiba, ela só impacta no visto de residência (ou no máximo no de sponsor).

      Excluir
    5. Denise, o Barrister e o Solicitor, para efeitos de imigração - que é diferente de ter o registro profissional -, segundo um agente de imigração com quem trabalhei, teria possibilidade de ser aceito, desde que se conseguisse comprovar os "duties" ou "tasks" referentes à profissão. Nem todo assessment positivo necessariamente te possibilita trabalhar na área de reconhecimento de habilidades. Algumas profissões, como no caso de Solicitor, Barister e até mesmo Lawyers, como vc mesmo disse, requerem uma formação totalmente diferente da que se tem no Brasil.

      Excluir
  6. Olá!
    Será que o Thiago poderia escrever um post similiar a este também, falando como é ser arquiteto na australia?
    Obrigado:)

    Bianca

    ResponderExcluir
  7. Olá Denise,
    Queria saber qual profissão você exerce ai na Austrália. Obrigado.
    Maurício.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mauricio.

      Já respondi nos comentários acima e nos muitos posts q fiz posteriormente a esse. Sou paralegal aqui na Aus.

      Excluir
  8. Olá Denise, vc tem canal no YouTube?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Não tenho não, aliás nem acesso o Youtube.

      Excluir